Valor e idade pesam contra Touareg

Desde que o mundo é mundo, tudo precisa evoluir. Não é diferente para o Volkswagen Touareg. Ocupante do topo da gama de veículos da Volkswagen, o utilitário sofre com a falta de atualizações em um segmento onde isso é primordial para se manter competitivo em relação aos concorrentes. A idade do projeto, lançado em 2010, não esconde o visual cansado.

Nem mesmo a versão de entrada do modelo, equipada com motor V6, melhora a questão do custo/ benefício, visto que avança na faixa de preços dominada por Mercedes, BMW, Land Rover, Audi e Porsche. Briga complicada, com modelos já consolidados no segmento de luxo.

O problema não chega a ser o recheio ou o que o modelo pode oferecer. Em uma comparação direta, o Touareg é tão equipado e potente quanto alguns rivais premium de preço semelhante. Por exemplo, há o controle de velocidade adaptativo, sistema de som premium, teto solar panorâmico e motor de seis cilindros. No entanto, o mais importante neste segmento é a presença que o carro faz. Uma percepção de sofisticação que a marca Volkswagen sempre tentou imprimir em seus carros – com exceção do Brasil, onde sempre se encaixou em uma posição mais simples – mas nunca atingiu o nível dos compatriotas.

Em resumo, pode ser pouco recompensador para o ego optar por ter um VW na garagem, enquanto se pode escolher um

BMW, Mercedes, Porsche ou Audi. O Touareg compartilha a base com um de seus rivais. A plataforma é a mesma usada pelo Porsche Cayenne e pela geração passada do Audi Q7, duas marcas que compõem o Grupo Volkswagen. O trem de força é um desatualizado motor V6 3.6 FSI que desenvolve 280 cv a 6.200 rpm e 37 kgfm a 2.900 giros. Já a transmissão automática é de oito marchas, com opção de trocas sequenciais na manopla ou através de borboletas atrás do volante. O conjunto consegue levar o utilitário da Volkswagen da imobilidade até os 100 km/h em 7,8 segundos e à velocidade máxima de 228 km/h.

A lista de equipamentos também mostra que o utilitário da Volkswagen é bem completo. Os itens de série trazem apenas o obrigatório no segmento, como seis airbags, sistema de entretenimento com GPS, bancos com ajuste elétrico, arcondicionado de duas zonas, faróis bixenônio com luz de condução diurna em LED, regulagem dinâmica de altura e luz de conversão dinâmica, acabamento interno com detalhes em alumínio, sistema de acesso ao veículo sem o uso da chave e botão para partida do motor, entre outros.

Com isso, o Touareg V6 custa altos R$ 314.150. Mas é nos opcionais que o SUV se perde. Lá estão itens como o controle de cruzeiro adaptativo, teto solar panorâmico, sistema de som premium da Dynaudio e quatro câmaras auxiliares para manobras.

Todo completo, o Touareg V6 FSI vai a absurdos R$ 364.881, custando praticamente o mesmo que um Porsche Cayenne ou um Land Rover Range Rover Sport. Tal valor pode ser difícil de justificar para quem ostenta um logo da Volkswagen, normalmente associado a produtos automotivos populares e não a modelos sofisticados. E que ainda tem um visual muito semelhante a veículos que custam dez vezes menos, como o Gol ou o Fox, por exemplo. Detalhes que talvez ajudem a explicar o desempenho comercial um tanto tímido do Touareg. As vendas neste segmento no Brasil, evidentemente, não alcançam altos volumes, pois o foco é o reforço da imagem de cada marca e a rentabilidade de cada unidade vendida. E o grande destaque é o Land Rover Range Rover Sport, que lidera com 509 unidades vendidas neste ano e custa a partir de R$ 381 mil. Já o Touareg teve apenas 87 emplacamentos no acumulado do ano. (Fábio Perrota Júnior/AutoPress)

Desempenho – O V6 de 3.6 litros e 280 cv cumpre bem o trabalho de movimentar as mais de duas toneladas do Touareg. O torque disponível logo aos 2.900 giros ajuda na sensação de força. A transmissão de oito marchas merece elogios pela suavidade e velocidade. O zero a 100 km/h é feito em 7,8 segundos, marca mais que respeitável para
um veículo deste porte. Nota 8

Estabilidade – O Touareg tem um surpreendente acerto, considerando suas dimensões e peso. O utilitário passa segurança em todo tipo de manobra, sem o menor susto para o motorista. A carroceria rola um pouco em curvas mais acentuadas, mas nada desesperar ou que comprometa a segurança. Nota 8

Interatividade – Como qualquer carro topo de linha e cheio de equipamentos de conforto e entretenimento, o Touareg é lotado de botões. Porém, o funcionamento geral do carro é até bem simples. O sistema de som/GPS tem funcionamento intuitivo e projeta diversas informações também na tela posicionada entre os instrumentos. A visibilidade é boa, ainda mais com a ajuda das câmaras que mapeiam tudo que acontece ao redor do SU V e ajudam a estacionar o grande utilitário. Nota 9

Consumo – O V6 do Touareg tem “sede”. De acordo com o InMetro, o utilitário faz média de 5,8 km/l na cidade e 7,4 km/l na estrada, com consumo energético de 3,50 MJ/km e obtendo nota ‘E’ no geral e no segmento. Nota 2

Tecnologia – A segunda geração da Touareg usa a mesma plataforma do primeiro modelo, de 2002, mas ótimo espaço interno. O funcionamento da transmissão ZF de oito velocidades é um destaque. Mesmo se tratando de uma versão de entrada, o Touareg vem bem equipado de fábrica. Nota 8

Conforto – As rodas grandes não prejudicam o conforto para o conforto ao rodar. A suspensão tem calibragem correta e absorve boa parte dos solavancos. Os bancos extremamente confortáveis e ergonômicos. O isolamento acústico é excelente e praticamente deixa o motorista alheio aos sons do mundo externo. Nota 8

Habitabilidade – A Touareg é um carro alto, mas não há grandes mistérios para entrar e sair dele. Por dentro, é tudo bem localizado e há bastante espaço para guardar objetos pessoais, principalmente sob o apoio de braço. O porta-malas leva 520 litros e tem acesso simples. Nota 8

Acabamento – Apesar do desenho comum, o acabamento do Touareg é bom. Há couro de boa qualidade espalhado pela cabine, além de alumínio e outros materiais agradáveis ao toque. Os bancos também têm belo acabamento e são muito confortáveis. Nota 8

Design – A Touareg é imponente. O problema é que tem aquele mesmo desenho “manjado” em outros inúmeros carros da Volkswagen. Apenas a escala é diferente. E falta de exclusividade no estilo é algo que certamente depõe contra um carro de mais de R$ 300 mil. Nota 5

Custo/benefício – A faixa de preço que o Touareg V6 concorre é dura. Porsche Cayenne, BMW X5 e Land Rover Range Rover Sport e Volvo XC 90 têm motores de seis cilindros, assim como o Touareg. O utilitário é tão bem equipado quanto, mas deixa a desejar em desempenho e eficiência energética. O problema é a falta de atualização
que o modelo não teve e ficou velho perante a concorrência. A ausência de exclusividade e status, atributos que a marca Volkswagen tem dificuldades para oferecer. Nota 4

Total – O Volkswagen Touareg V6 FSI somou 64 pontos em 100 possíveis.