União pode fazer história na Copinha

GERSON LOURENÇOUm problema bom. É desta forma que a comissão técnica do União analisa o jogo decisivo de hoje, às 19 horas, contra o Cruzeiro por uma vaga do grupo 22 à segunda fase da Copa São Paulo de Futebol Júnior. “Podia ser pior, mas estamos brigando por uma classificação é dá um ânimo maior aos jogadores”, disse ontem o técnico Ronaldo Moraes, a O Diário, algumas horas antes de levar o time para o clube do Sindicato dos Metalúrgicos, na região de Biritiba Ussu, a fim de finalizar a preparação para o duelo programado para o Estádio Municipal Francisco Ribeiro Nogueira, o Nogueirão, na Vila Industrial.

Com a vitória do União sobre o River (PI), por 2 a 1, e a do Bragantino sobre o Cruzeiro, por 1 a 0, os times chegam na última rodada da primeira fase com três pontos e uma vitória cada.

A partida ganha mais emoção porque o União vai precisar vencer, enquanto o Cruzeiro jogará, no mínimo, pelo empate. No regulamento, o primeiro critério de desempate é o número de vitórias, onde existe igualdade.

Os mineiros levam vantagem no segundo critério, saldo de gols, com um tento positivo, enquanto o alvirrubro está com um no negativo. “Perdemos muitos gols contra o River. Melhoramos na criação de jogadas, mas poderíamos ter evoluído nas finalizações. E agora um saldo de gols pode definir a classificação. Teremos a pressão de ganhar, quando o empate seria nosso e poderia ser um jogo mais tranquilo”, disse o técnico Ronaldo Moraes.

Só o fato de fazer um confronto decisivo hoje já deixou o grupo unionista animado. “Estamos todos felizes por chegar a esta condição. Tudo no União é conquistado com sacrifício. Já fizemos história e todo o grupo marcou o nome com a primeira vitória na Copa São Paulo e temos a chance de melhorar a trajetória”, assinalou Moraes.

Apesar de jogar em casa e de ter o apoio da torcida, o técnico do alvirrubro sabe que o Cruzeiro ainda é o favorito, mas mantém o tom otimista. “A camisa pesa, mas a bola é igual para todos. Eu senti que eles achavam que poderiam vencer o Bragantino a qualquer momento. Não deu e a derrota poderia ser por um placar maior. O futebol é diferente e isto dá um ânimo, uma alegria maior, que é ter a chance de classificar”, analisou Moraes.

Ontem, a maior preocupação para a comissão técnica do União foi a de recuperar os jogadores. “Também evoluímos na condição física. Após o primeiro jogo tivemos sete jogadores com cãibra. No segundo só tivemos um caso. Agora é descansar, aproveitar bem o dia e ir bem para a partida”, ressaltou Moraes.

Na preliminar de hoje, às 17 horas, o Bragantino joga por um empate com o River para fechar o grupo 22 como primeiro colocado. O rival do Piauí, já desclassificado, tenta somar os primeiros pontos.