Travesti é morta com tiro na nuca no Centro

reação  Após morte da travesti Danielly, ato denuncia atos de volência / Foto: Divulgação
reação Após morte da travesti Danielly, ato denuncia atos de violência / Foto: Divulgação
A travesti Danielly Barby, no registro civil Danilo Orosto Costa Filho, foi morta com um tiro na nuca no cruzamento das ruas Princesa Isabel e Coronel Souza Franco, nas proximidades da região conhecida como ‘quadrilátero do pecado’, por concentrar hotéis de intensa rotatividade. O assassinato foi registrado no 1º Distrito Policial, e será investigado pela Delegacia de Homicídios.

Imagens de um dos hotéis daquela região, onde é possível ver a travesti saindo acompanhada de um homem, foram recolhidas por policiais e deverão ser usadas para a identificação de um suspeito do assassinato, que movimentou integrantes do Fórum Mogiano LGBT (Lésbica, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) nas primeiras horas da manhã. Advogados representantes do grupo deverão acompanhar as investigações. Travestis fazem denúncias sobre ameaças sofridas durante a noite.
O corpo da vítima foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) e o velório realizado a partir do final da tarde de ontem, no Velório Cristo Redentor. Horário e o local do sepultamento ainda estavam sendo definidos por familiares. A vitima residia em Mogi e tinha 24 anos.
Um dos representantes do Fórum, Gustavo Don, afirmou que há relatos de insegurança por parte de pessoas que trabalham à noite. “Outro dia, eu presenciei um carro passando por um grupo, com uma pessoa armada, apontando para elas”, contou.
Na próxima sexta-feira, um ato público será realizado no Largo do Rosário pelo Fórum LGBT. O objetivo é denunciar a violência sofrida por essa parcela da população e homenagear Danielly, como se apresentava. (Eliane José)