Movimento envia a Melo propostas de melhoria em Braz Cubas

Ao todo, 10 propostas foram enviadas ao prefeito. (Foto: Arquivo/ O Diário)
Ao todo, 10 propostas foram enviadas ao prefeito. (Foto: Arquivo/ O Diário)

O Movimento Braz Cubas em Ação encaminhou a seguinte relação de necessidades do Distrito de Braz Cubas elaborada a pedido do prefeito Marcus Melo:

1) Trânsito no Centro
Retomar os estudos para adequar as ruas do centro de Braz Cubas ao complicado trânsito de veículos, com soluções, a exemplo do que aconteceu com as Ruas Schwartzmann, Julio Aragão e com a Av. Valentina Melo Freire, que tiveram mão única de direção, eliminando os congestionamentos que irritavam os motoristas.

2) Mão inglesa na Rua Guttermann
Solução para o entrave criado na Rua Gutermann, em frente às EMEIS e ao Largo da Feira, onde os caminhões pesados para retornar da Av. Henrique Peres para a pista contrária desta avenida, adentram na rua Gutermann e ingressam à esquerda, na Av. Ulisses Borges de Siqueira, trecho onde, foi instalada sinalização de solo e área, em sentido único, como autêntica mão inglesa. Isso impede que o motorista que vem da Av. Ulisses Borges de Siqueira (mão única) possa alcançar o Largo da Feira, sendo obrigado a fazer uma manobra maluca, entrando obrigatoriamente à direita, rente a calçada de um das EMEI e fazer o retorno do outro lado da Av. Henrique Peres, enfrentando o semáforo por duas vezes, para chegar ao Largo da Feira.

A solução, ao nosso ver, é simples: basta fazer um corte sob a faixa de alta tensão, mesmo à revelia da Bandeirante Energia (a exemplo da que foi feita no inicio da Rua Gutermann para o retorno dos veículos, liberando a Av. Ulisses Borges de Siqueira de sua vocação para quem quer ir ao Largo da Feira ou ao Centro do Distrito.

3) Rampa no Largo da Feira
É reivindicação antiga dos velhos donos do Conjunto Grimberg e dos moradores à margem direita da Avenida Henrique Peres, sentido Avenida Japão, a construção de um acesso digno para fazer suas compras, às sextas feiras e domingos.

Ao lado de um bar, no canto do Largo da Feira, na pista da Av. Henrique Peres/Av. Japão, há uma escada com degraus irregulares e perigosos que dificultam o acesso de pessoas deficientes, cadeirantes, idosos, com mobilidade reduzida, que se vêem obrigados a dar uma volta imensa para acessar as barracas dos feirantes.
Há espaço de sobra para se fazer uma rampa suave, com corre-mãos, que facilitara a vida já difícil dessa classe de usuários do local.

4) Construção de banheiros públicos
Braz Cubas carece deste bem social. Sugerimos a construção de um deles na Praça Francisco Urbano e outro no Largo da Feira, ao lado da rampa sugerida no item anterior.
Para evitar a ação de vândalos, seria destinado um servidor da Prefeitura, que atuaria a semana toda no horário comercial, mantendo-os fechados a noite. Não é crível que, em pleno século XXI tenhamos que assistir pessoas urinando atrás das árvores, na Praça e atrás de veículos na feira, constrangendo a todos, principalmente mulheres e crianças. E não nos venham com banheiros químicos, que além de caros, são os preferidos para que vandalismo e sujeira pelos moradores de rua.

5) Mão única de direção na Rua Thuller
A estreita via, eivada de comercio de ambos os lados, não comporta mais o trânsito nos dois  sentidos e estacionamento em  ambos os sentidos.

Quando dois ônibus da Linha Braz Cubas/Jardim Universo e Alto Guaianazes/Braz Cubas, via Av. Japão se cruzam, é um caos.

A sugestão é que a Rua Santa Efigênia, paralela, seja tornada mão única, da Avenida Japão até a Rua Santa Adelaide e a Rua Thuller no sentido contrário.

Na última gestão do prefeito Waldemar (1997/2000), houve resistência dos moradores e comerciantes da Rua Unicor na Vila Brasileira, quando sugeri, como administrador regional, que ela tivesse mão única sentido Avenida Japão/Vila Pomar, mas na gestão do prefeito Junji Abe, a solução foi adotada e está lá até hoje, facilitando a vida de todos.

6) Estacionamento na Rua José D’Carlo
Esta importante artéria de acesso ao Cemitério da Saudade, na Vila Lavinia é servida, nos dois sentidos, pela linha de ônibus Estudantes/Vila Jóia, também não comporta mais que se permita o estacionamento de veículos em ambos os lados da rua, causando dificuldades aos motoristas, principalmente quando os ônibus se cruzam na íngreme subida. A proibição, pelo menos em um dos lados, irá atenuar o problema

7) Zona azul
Braz Cubas padece de um fenômeno social intenso, que prejudica o comércio  e os distritais. Pessoas que trabalham em São Paulo e tomam os trens da CPTM na madrugada, deixam seus carros estacionados nas ruas do distrito e só retornam à noite, o que não deixa de ser um abuso. A instalação da zona azul ou sistema de parquímetro (que funciona a contento em Mogi das Cruzes) seria a solução.

8) Estacionamento
Como contrapartida ao item anterior sugerimos o seguinte: A CPTM dispõe de extensa área ociosa ao lado da Vila Estação, que poderia ser destinada aos usuários de seus próprios trens. Sugiro que a Prefeitura, através da Secretaria de Transporte, pudesse entabular com a direção da CPTM a liberação do espaço para o almejado estacionamento, liberando o espaço ocupados pelos veículos dos trabalhadores, no centro do Distrito.

9) Sinalização na Rua Schwartzmann
A Secretaria de Transportes deve corrigir uma irregularidade existente desde a exitosa mudança de direção daquela via, sugerida pelo Movimento Braz Cubas em Ação. O meio fio da calçada, que vai da Praça Francisco Urbano, até a altura do nº 263 ainda esta pintada de amarelo, o que confunde os motoristas forasteiros em ali estacionar. Temem ser multados pela zelosa Policia Militar que presta um bom serviço neste sentido. A sugestão é que a faixa amarela – que se justificava na época em que a via tinha mão dupla – seja imediatamente coberta, sanando a irregularidade.

10) Calçadas problemáticas
Na calçada que fica nas esquinas da Rua Dr. Deodato Wertheimer e Rua Francisco A. Melo, há duas árvores da família flamboyants, plantadas na época pelo proprietário, o saudoso Vasile Ivanov, cujas raízes levantaram os ladrilhos hidráulicos, causando perigo aos transeuntes, principalmente gestantes, idosos e deficientes, que são obrigados a andar pela rua, disputando o espaço com os veículos. A sugestão é que a Secretaria do Meio Ambiente encontre uma solução que preserve as lindas árvores e facilite a vida desta classe de pedestres. Cremos que o corte das raízes, no nível da calçada, não prejudicará os flamboyants.

Joaquim Paixão é advogado e secretário do Movimento Braz Cubas em Ação