Mogi inaugura creche no Novo Horizonte - O Diário - Mogi das Cruzes , Suzano e Região do Alto Tiete
Fechar

           CIDADES

Mogi inaugura creche no Novo Horizonte

Cidades

LUCAS MELONI
Jéssica Vieira, de 18 anos, é moradora do Novo Horizonte, na divisa de Mogi das Cruzes com Itaquaquecetuba, diarista e mãe de duas crianças, Miguel, de três anos, e Glaucia, de um. No começo do ano, ela fazia as contas de quanto precisaria economizar nos gastos da família a fim de pagar babás para os filhos caso não conseguisse vagas em uma escola de educação infantil. O preço mais em conta que encontrou foi R$ 350,00 por criança, o que resultaria em R$ 700,00 de despesa, cerca de 58% da renda familiar mensal de R$ 1,2 mil. Com a entrega do 65º Centro de Educação Infantil Municipal (CEIM) Vereador Alcides de Vicente, no Residencial Pedra Branca, no Novo Horizonte, a preocupação deixou de existir. “Eles estarão mais bem assistidos também”, afirmou.

O Novo Horizonte é um dos pontos mais extremos da Cidade, na divisa geográfica com Itaquaquecetuba, e tem uma população estimada pela Prefeitura em pouco mais de 1,5 mil habitantes.

Ontem pela manhã foi entregue o 65º equipamento educacional construído durante os oito anos de gestão do prefeito Marco Aurélio Bertaiolli (PSD), que encerra sua passagem pela Administração Municipal em dezembro próximo. A unidade terá capacidade para atender 150 alunos, com idade a partir dos quatro meses. O investimento foi de R$ 3,2 milhões e o espaço tem 1.323,58 metros quadrados (m²). A gestão do espaço ficará por conta da Associação Beneficente Novo Horizonte.

Presente na inauguração, Jéssica falou sobre a mudança que a chegada da escola causa à comunidade. “As famílias tinham poucas opções: ou levavam as crianças para creches no Jardim Margarida ou em Itaquaquecetuba ou pagavam R$ 350,00 por criança, como o que eu achei, para que alguém cuide deles algumas horas por dia. Para a gente que, lá em casa, tem renda de R$ 1,2 mil por mês, é um baque e tanto”, comentou.

O padeiro Edmar Nery Araújo, 51, acompanhou o processo de construção da escola. “Meu filho, Iuri, de três anos dizia que queria ver a escola que estava construída. Eu vinha trazê-lo aqui na porta e queria muito que ele pudesse vir estudar aqui e vai dar certo. Ele vai estudar”, disse.

A secretária-adjunta de Educação, Valéria Campolino, afirmou que, com a inauguração da unidade ontem, a Prefeitura zera a fila de espera por educação infantil no Novo Horizonte. “A primeira escola construída neste conjunto de 65 equipamentos entregues nessas duas gestões foi aqui no Novo Horizonte (Centro de Educação Infantil Raio de Luz, em março de 2009). Com essas duas unidades zeramos a fila nesta parte da Cidade. Todos os dias, a fila de espera tem diminuição. Hoje há, em média, duas mil mães à espera de vaga, mas é sempre um número em queda por causa de tantas inaugurações”, explicou.

A cerimônia foi especial porque teve apresentações artísticas de alunos da rede municipal de ensino. Estudantes desfilaram com 65 mudas de árvores que serão plantadas nos terrenos das 65 escolas construídas pela Prefeitura desde 2009.

De acordo com o prefeito, além da chegada de novas unidades educacionais, é preciso destacar que os alunos terão aulas em período integral. “Hoje entregamos a 65ª unidade educacional em oito anos. Cinquenta e sete delas em parceria com organizações sociais e isso representa um processo bem-sucedido dentro do bairro. É o maior programa de construção de escolas do Estado de São Paulo e, provavelmente, o maior do País. A gente completou o que previa o plano de governo. Todas as 65 escolas, que representam mais de 10 mil vagas, são em período integral. Se nós tivéssemos feito o que preconiza o Plano Nacional da Educação, em meio período, nós teríamos 20 mil vagas, mas resolveríamos meio problema. A Prefeitura optou pelo caminho mais difícil, porém mais completo”, ressaltou.

Dados
Desde 2009, a rede municipal de ensino de Mogi das Cruzes aumentou em 44,7% o número de estudantes matriculados, tendo saltado de 31.656 alunos para 45.806. A Secretaria Municipal de Educação credita o crescimento ao aumento natural da população, à ampliação da oferta de vagas e à piora da economia brasileira que fez com que alguns pais tirassem filhos do ensino particular e os transferissem a unidades públicas.



O número de escolas aumentou 33,5%, de 155 para 207 escolas. Para o próximo mês, a previsão é de que o prédio Professor José Sebastião Witter, no Shangai, nova sede da Secretaria de Educação, seja entregue.

“Houve um aumento natural e acréscimo por causa da crise que não conseguimos mensurar, mas sabemos que ele existe”, disse a secretária-adjunta de Educação, Valéria Campolino.

Reajuste

O índice de reajuste de repasses a creches subvencionadas pela Prefeitura e o exigido pelo Sindicado dos Servidores às professoras da rede é outro. O prefeito Marco Bertaiolli anunciou no evento que a Prefeitura passará a utilizar o índice do dissídio.

Compartilhe nas redes sociais...Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone