Mogi demite mais do que contrata em março, aponta Caged - O Diário - Mogi das Cruzes , Suzano e Região do Alto Tiete
Fechar

           DESTAQUE

Mogi demite mais do que contrata em março, aponta Caged

DESTAQUE, Policia

Setor da indústria foi um dos poucos que teve saldo positivo no último mês. (Foto: Divulgação)

Setor da indústria foi um dos poucos que teve saldo positivo no último mês. (Foto: Divulgação)

CARLA OLIVO
Mogi das Cruzes fechou o mês de março com saldo negativo na geração de emprego formal segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados ontem pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS). De acordo com os números, a Cidade registrou 3.066 admissões e 3.382 desligamentos no mês passado, com o fechamento de 316 postos, o que representa -0,33%. O resultado ainda reflete a grave crise econômica enfrentada pelo País.

Os segmentos que mais contrataram em março foram os de Serviços (1.795 admissões), Comércio (704) e Indústria de Transformação (338). Os setores de Serviços e Comércio também lideram a maioria dos desligamentos, com a dispensa de 1.803 e 768 trabalhadores, respectivamente, seguidos por Construção Civil (383).

A expectativa era que março fechasse no azul, seguindo o exemplo de fevereiro, que apresentou saldo positivo de 336 vagas, com 3.156 novos contratos na carteira de trabalho e 2.820 demissões de funcionários, correspondentes a 0,35%.

No acumulado dos três primeiros meses deste ano, o levantamento realizado pelo Caged aponta para 9.273 admissões e 9.234 demissões, com saldo de 39 postos de trabalho (0,04%). Já levando em consideração os números dos últimos 12 meses, há o registro de 34.386 contratações e 36.739 dispensa, totalizando perda de -2.353 postos de trabalho, equivalentes a -2,41%.

No País, houve perda de 63.624 vagas formais de trabalho em março, voltando ao vermelho após resultado positivo de fevereiro, segundo o Caged. A performance no mês frustrou expectativas que haviam sido divulgadas pelo próprio ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, de abertura de postos no mês passado, apontando ainda que o varejo deveria ser beneficiado pela liberação do saque das contas inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Em março, no entanto, o comércio respondendo pelo maior fechamento de vagas dentre todos os setores, com menos 33.909 vagas. Também ficaram no vermelho os setores de serviços (-17.086 postos), construção civil (-9.059), indústria de transformação (-3.499) e agricultura (-3.471).

Compartilhe nas redes sociais...Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone