Mobi Drive faz bonito na economia - O Diário - Mogi das Cruzes , Suzano e Região do Alto Tiete

           AUTOMOTOR

Mobi Drive faz bonito na economia

Automotor

A Fiat sempre pensou grande quando o assunto era o Mobi. O subcompacto chegou como uma espécie de trunfo para disputar espaço com o Volkswagen Up! e, apesar do tamanho reduzido, atrair a atenção de consumidores que optam por hatches compactos maiores mesmo quando não precisam. Como qualquer modelo de volume, a estratégia foi ampliar a gama de versões. E a mais recente delas, a Drive, tem um trunfo que, de fato, a diferencia das demais: a adoção do moderno motor 1.0 Firefly, com três cilindros, de 77 cv de potência (etanol). Construído em Betim (MG), o propulsor de duas válvulas por cilindro faz do carro o mais econômico do Brasil com motor aspirado.

Visualmente, a versão Drive do Fiat Mobi não traz qualquer atributo que a destaque diante das outras do subcompacto. Na verdade, é mesmo em movimento que ela mostra seu grande trunfo: o novo motor 1.0 Firefly de três cilindros. Nem tanto pelos 77 cv com etanol – apenas 2 cv a mais que o 1.0 Fire das demais configurações -, mas sim pelos 10,9 kgfm de torque máximo, disponíveis a 3.250 rpm. Na verdade, bem antes disso o carro já mostra bom fôlego e agilidade condizentes com compactos de motorizações superiores.

É claro que, para isso, contribui o baixo peso do modelo: 950 quilos, que se traduzem em uma relação de 12,3 kg/cv. Nada mau para a categoria em que o carro atua. Não esboça esportividade, mas está longe de apresentar falta de força, pelo menos não em pisos planos. Arrancadas, ultrapassagens e retomadas são feitas com alguma tranquilidade e sem que seja necessário reduzir demais a marcha.

Não há recursos eletrônicos para garantir mais segurança na questão da estabilidade. Mas isso não significa que haja sensação de insegurança a bordo do Mobi Drive. Obviamente, convém não abusar. As rolagens de carroceria, no entanto, são extremamente sutis e, de maneira geral, o hatch mantém bom equilíbrio em curvas mesmo em velocidades elevadas.

O espaço diminuto, que para muitos representa o principal defeito do Fiat Mobi, torna-se um grande aliado dos motoristas que costumam andar mais sem passageiros no banco de trás e em grandes cidades. É fácil estacionar o subcompacto e, principalmente, achar vagas onde ele caiba.

Outro ponto a favor é o sistema Live On opcional. Com ele, aplicativos do smartphone como Waze ou Spotify, por exemplo, são acionados como se fossem nativos do sistema. Além disso, ele ainda traz a função Ecodrive, que avalia o motorista em relação ao uso do acelerador, dos freios e do aproveitamento da inércia para economizar combustível. Cria um jogo interessante para quem deseja reduzir as paradas nos postos de gasolina e, ao mesmo tempo, diminuir a poluição no trânsito

A lista de itens de série é condizente com o segmento. Não surpreende, mas também não decepciona. Há direção elétrica, ar-condicionado, vidros dianteiros elétricos, travas por comando remoto, abertura interna para porta-malas e para o compartimento do tanque de combustível, entre outros. Mas o preço inicial de R$ 40.670 pode pular para R$ 45.401 com um pacote de opcionais que inclui o Live On. Além dele, entram itens como faróis de neblina, rodas de liga leve, alarme antifurto, retrovisores elétricos, volante multifuncional, sensor de estacionamento traseiro e console de teto com espelho auxiliar. (Márcio Maio/AutoPress).

  • Embora o design não seja o cartão de visitas do Mobi, o subcompacto da Fiat é uma opção interessante de city car. (Foto: Jorge Rodrigues/ AutoPress)
    Embora o design não seja o cartão de visitas do Mobi, o subcompacto da Fiat é uma opção interessante de city car. (Foto: Jorge Rodrigues/ AutoPress)
  • Embora o design não seja o cartão de visitas do Mobi, o subcompacto da Fiat é uma opção interessante de city car. (Foto: Jorge Rodrigues/ AutoPress)
    Embora o design não seja o cartão de visitas do Mobi, o subcompacto da Fiat é uma opção interessante de city car. (Foto: Jorge Rodrigues/ AutoPress)
  • Embora o design não seja o cartão de visitas do Mobi, o subcompacto da Fiat é uma opção interessante de city car. (Foto: Jorge Rodrigues/ AutoPress)
    Embora o design não seja o cartão de visitas do Mobi, o subcompacto da Fiat é uma opção interessante de city car. (Foto: Jorge Rodrigues/ AutoPress)
  • Embora o design não seja o cartão de visitas do Mobi, o subcompacto da Fiat é uma opção interessante de city car. (Foto: Jorge Rodrigues/ AutoPress)
    Embora o design não seja o cartão de visitas do Mobi, o subcompacto da Fiat é uma opção interessante de city car. (Foto: Jorge Rodrigues/ AutoPress)
  • Embora o design não seja o cartão de visitas do Mobi, o subcompacto da Fiat é uma opção interessante de city car. (Foto: Jorge Rodrigues/ AutoPress)
    Embora o design não seja o cartão de visitas do Mobi, o subcompacto da Fiat é uma opção interessante de city car. (Foto: Jorge Rodrigues/ AutoPress)

Ponto a ponto – Fiat Mobi Drive
Desempenho – O motor 1.0 6V de 72/77 cv e torque de 10,4/10,9 kgfm com gasolina/etanol deixou o Mobi Drive bem mais ágil que as demais versões, que ainda usam o antigo propulsor da linha Fire. O torque máximo aparece apenas em 3.250 giros, mas bem antes disso o carro já se mostra “esperto”, com arrancadas e retomadas vigorosas. Na estrada, ultrapassagens também são feitas com eficiência sem que se precise recorrer demais às reduções de marcha. Nota 8

Estabilidade – Apesar de se destacar no trânsito urbano com sua agilidade, o Mobi Drive não foi feito para ser levado ao limite. Convém não abusar, já que há rolagem da carroceria em curvas acentuadas. Porém, tudo dentro do padrão do segmento. Nota 7



Interatividade – O Mobi tem poucos comandos e todos de leitura fácil e uso intuitivo. O computador de bordo é eficiente e a visibilidade é boa tanto atrás quanto à frente. Até pelo tamanho do carro, estacioná-lo também é bem simples e a versão Drive, quando completa, ainda traz sensor de estacionamento traseiro. Nota 8

Consumo – Segundo o InMetro, na cidade, o Mobi Drive consome 9,6/11,3 km/l na cidade/estrada com etanol e 13,7/16,1 km/l nas mesmas condições na estrada. Ou seja, é o carro com motor aspirado mais econômico do mercado. Nota 10

Conforto – A suspensão absorve bem as irregularidades do piso, mas o maior problema do modelo é mesmo a falta de espaço interno. Levar qualquer adulto atrás quando se tratam de dois passageiros de estatura mediana à frente já acarreta em algum aperto para ambas as partes. Definitivamente, é um carro para solteiros. Por outro lado, o ar-condicionado refrigera rapidamente o habitáculo. Nota 7

Tecnologia – A plataforma do Mobi é emprestada do Uno e relativamente recente. O motor 1.0 Firefly é novo, extremamente moderno e totalmente influenciado pela tendência de “downsizing” do mercado automotivo. O sistema opcional de áudio Live On transforma smartphones Android e IOS em uma central multimídia bem funcional e moderna. Nota 7

Habitabilidade – O Mobi é um subcompacto e foi projetado para grandes centros urbanos. Sendo assim, não é de surpreender que o porta-malas leve pouca bagagem: 235 litros. Os porta-objetos internos, no entanto, são eficientes. O ângulo das portas é bom e a altura interna também. Nota 6

Acabamento – Os plásticos rígidos estão por toda parte, mas isso é um tanto comum entre os modelos de entrada das marcas generalistas. Não há rebarbas aparentes e, de maneira geral, os materiais aparentam boa qualidade. Nota 7

Design – O Fiat Mobi, apesar de ser um subcompacto, expressa certa robustez em seu visual. A frente traz faróis protuberantes que se ligam à grade em preto brilhante. O tom escuro aparece ainda na moldura dos faróis de neblina e na parte inferior do para-choque, porém em fosco. A tampa do porta-malas em vidro escuro adiciona uma dose de charme ao modelo, mas o perfil é um pouco desequilibrado: a frente é muito grande e, de lado, causa estranheza. Nota 5

Custo/benefício – O Fiat Mobi Drive parte de R$ 40.670, mas chega a R$ 45.401 completo. Seu principal concorrente, em função do espaço diminuto e da faixa de preço em que atua, é o Volkswagen Up!, que na versão Move sai a R$ 47.154 equipado à altura do Mobi Drive completo, mas sem central multimídia.Nota 7

Total – O Fiat Mobi Drive somou 72 pontos em 100 possíveis.



Compartilhe nas redes sociais...Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone