Mensagens no WhatsApp norteiam peça em cartaz - O Diário - Mogi das Cruzes , Suzano e Região do Alto Tiete
Fechar

           CADERNO A

Mensagens no WhatsApp norteiam peça em cartaz

Caderno A, Caderno A - Capa

Julia Feldens  e Ernesto Filho são os protagonistas de peça baseada em memórias e recordações / Foto: Divulgação

Julia Feldens e Ernesto Filho são os protagonistas de peça baseada em memórias e recordações / Foto: Divulgação

Os atores Julia Feldens e Ernesto Filho, amigos desde que trabalharam juntos em “Kollwitzstrasse 52”, em 2013, queriam agora uma performance baseada em suas próprias recordações, suas memórias.

Um dia, nas primeiras conversas, Ernesto comentou de passagem ter achado no WhatsApp uma área de dados: “E você é a pessoa com quem mais troco mensagens, disparado”.

Daí, conta Julia, “demorou um pouco para cair a ficha, mas a gente percebeu que poderia usar dessa outra memória para construir uma narrativa absolutamente nossa”.

O resultado é “Fica Tranquila… Te Conto na Terça!”, criada a partir de 4.000 mensagens trocadas por eles ao longo de três anos, que está em cartaz em São Paulo.

Foi “um trabalho bem exaustivo”, diz ela, “mas não ficou uma coisa ensimesmada, porque dentro daquelas informações todas havia narrativas que ultrapassavam a nossa própria história”.

Em 50 minutos, a performance aborda temas como amor, tristeza e superação. Colegas do curso de Artes do Corpo da PUC-SP, ele já no mestrado, influenciados por pesquisadores como Christine Greiner, os dois descrevem “Fica Tranquila…” como um misto de teatro e dança.

Simbiose
O espetáculo vai além, com base no contato que tiveram com teorias de corpo, tecnologia e neurociência, “muito estimulantes para a prática, enquanto criadores”, diz Ernesto.

A busca das memórias no aplicativo foi o ponto de partida. “A gente começou a pensar muito sobre isso, como as tecnologias, esses aplicativos, softwares, não são apenas uma extensão, uma prótese para o nosso corpo”, diz Julia.



“A gente já acredita que o próprio corpo se distende, se prolonga para aquilo. O corpo se apropria tanto dessas tecnologias, que ganha hábitos cognitivos que vêm delas. O corpo se mistura muito com aquilo, é uma relação simbiótica.”

Um raciocínio semelhante se desenvolveu para a dança. “O Ernesto não é bailarino, eu também não sou, e a gente dança”, diz ela. “Mas é a música reverberando no nosso corpo.”

Além dos dois, está em cena o músico Léo Barbalho. E uma das grandes referências de “Fica Tranquila…”, inclusive com o único texto que não é de WhatsApp, é a cantora francesa Brigitte Fontaine.

SERVIÇO

“Fica Tranquila… Te Conto na Terça!”
Segunda, terça e quarta, às 20 horas
Instituto Cultural Capobianco
Rua Álvaro de Carvalho, 97, metrô Anhangabaú, São Paulo
Informações: 3255-8065
Até 16/06

Compartilhe nas redes sociais...Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone