Junji explica a quebra do monopólio da Eroles - O Diário - Mogi das Cruzes , Suzano e Região do Alto Tiete
Fechar

           INFORMAçãO

Junji explica a quebra do monopólio da Eroles

Informação

A propósito da nota publicada numa das histórias do folclore político local, no último domingo, o ex-prefeito Junji Abe (PSD) ligou para a coluna e esclareceu a questão da quebra do monopólio da Eroles, no transporte coletivo, na Cidade. Eis seu relato: “Quando sucedi Waldemar, ele me relatou as providências que teria de tomar em relação ao transporte coletivo, já que ele não havia conseguido quebrar o monopólio da Eroles. Apesar da vontade de Waldemar, ações da Câmara Municipal fizeram com que a empresa ganhasse fôlego. Ele me falou da briga com o Toninho Eroles e, naquela época, a vereadora Karina Marques havia entrado com um documento questionando o fato de a empresa ser permissionária do transporte, quando, na verdade, teria de ser concessionária, conforme determinava a Constituição. Waldemar havia preparado um modelo de concorrência que dividia a Cidade no meio entre duas empresas que seriam contratadas. Uma Comissão Técnica chegou à conclusão de que dessa forma não haveria equilíbrio financeiro para ambas. Optou-se, então, pela divisão dos horários entre as operadoras. Em 2004 foi feita a licitação vencida pela Mito, ligada ao Grupo Eroles, e pela Julio Simões. Tudo começou muito bem, até que operações bancárias feitas e não honradas pela Mito levaram bancos a reter seus ônibus. A Julio segurou a barra quando a Mito chegou a ficar com apenas seis coletivos. Para evitar a rescisão do contrato, a Mito fez um acordo com a Visul, de Suzano, para que a empresa operasse as linhas em Mogi. No entanto, por conta de reclamações trabalhistas contra a Mito, as férias diárias passaram a ser recolhidas diretamente pela Justiça do Trabalho, o que tornou impossível a continuidade da Visul, a qual desfez a negociação com a empresa mogiana. Com o transporte piorando, criamos uma comissão para estudar a rescisão contratual com a Mito. Passamos o segundo semestre de 2006 andando com o processo, até que em novembro decidimos pela rescisão. Às vésperas de deixar o governo, não havia condições de prazo para executar a rescisão. Entre a vitória e a posse de Marco Bertaiolli, realizamos três reuniões, onde disse a ele que o processo estava pronto e que, ele assumindo, efetuasse a rescisão. E assim foi feito. Bertaiolli realmente cassou a empresa e colocou outra no lugar e levou todas as glórias. Eu fiquei como a pessoa que nada fez e ainda acusado injustamente pela empresa. Mas eu tenho certeza de que cumpri a Constituição e fiz o que foi possível para resolver o problema, o que realmente aconteceu”, disse Junji, ontem, a esta coluna.

Dona Yayá
O casarão que pertenceu à mogiana Sebastiana de Melo Freire, no Bairro da Bela Vista, em São Paulo, que hoje abriga o Centro de Preservação Cultural (CPC) USP/Casa de Dona Yayá, vai sediar um curso de difusão gratuito sobre Patrimônio Cultural Imaterial, Interfaces e Novas Mídias. No evento serão destacadas narrativas em torno da personagem histórica de Dona Yayá e das questões de saúde mental e de gênero relacionadas à sua trajetória. Informações: (11) 2648-1501.

Vistorias
A necessidade de os prédios da Cidade terem o auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) será tema de palestra que acontecerá amanhã, a partir das 17 horas, na sede da 17ª Subseção da OAB de Mogi, promovida pela Comissão de Direito Condominial da entidade. Segundo o presidente da Comissão, advogado David Gomes, o encontro terá a participação do 1º tenente Everton Oliveira Pinheiro de Godoi, do Corpo de Bombeiros, que dará explicações técnicas sobre o assunto.

Preparativos
A visita do vice-governador Márcio França (PSB), no último final de semana, a Suzano, serviu como um aviso para os prefeitos do Alto Tietê. Ele já age como virtual governador, já deverá ocupar o lugar de Geraldo Alckmin (PSDB), quando o titular se afastar para concorrer à Presidência da República, no próximo ano. Na conversa com os prefeitos, ele sugeriu uma pauta comum de todo o Alto Tietê para facilitar o atendimento. Aconselhou priorizar a infraestrutura urbana. Sinal de que será candidatíssimo a continuar no cargo de governador, nas eleições de 2018.

Kartistas
Um grupo de mais ou menos dez vereadores irá conhecer de perto das corridas de kart que acontecem no Kartódromo de Granja Viana, em São Paulo. Os mogianos vão viajar a convite do colega de Câmara e corredor profissional, Otto Flores de Rezende, que pretende apresentar detalhes do esporte aos visitantes. Quem tiver alguma prática e for bom de braço poderá, certamente, experimentar um carrinho na pista.

Cotidiano

VANDALISMO  Pichadores não perdoaram nem a placa com o nome do ex-vereador Bento Antonio de Oliveira, na passarela da Rua Padre João. (foto: Edson Martins)

VANDALISMO Pichadores não perdoaram nem a placa com o nome do
ex-vereador Bento Antonio de Oliveira, na passarela da Rua Padre João. (foto: Edson Martins)


Frase
Quanto mais a pena for rápida e próxima do delito, tanto mais justa e útil ela será.
Cesare Beccaria, italiano de Gênova, um dos pais do Iluminismo Penal, citado pelo jornalista Ricardo Noblat, em seu seu blog

Compartilhe nas redes sociais...Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone