Inversão de papéis marca o clássico - O Diário - Mogi das Cruzes , Suzano e Região do Alto Tiete
Fechar

           ESPORTES

Inversão de papéis marca o clássico

Esportes, Futebol

As apostas de Carille deram certo no Corinthians

Expectativa: em janeiro, o São Paulo do “mito” Rogério Ceni, treinador estreante e rodeado de ideias inovadoras, prometia ir mais longe que o Corinthians do “desconhecido” Fabio Carille, relegado a quarta força do Estado. Realidade: em junho, já campeão paulista, o Corinthians é líder invicto do Brasileiro. O São Paulo, eliminado de três mata-matas, teve de se contentar em ser competitivo com o que sobrou nas mãos. Hoje, às 16h, em Itaquera, o clássico trará rivais sustentados por posições diferentes do que sugeriam os prognósticos, embora o objetivo de ambos fosse o mesmo: reconstruir-se.

O mérito de Carille foi não mexer por completo na estrutura tática implantada por Tite – ele foi auxiliar do agora técnico da Seleção Brasileira no Corinthians. Adaptações foram feitas, como a linha de volantes mais próxima do armador e do centroavante. Desta forma, a troca de passes qualificou-se e os contra-ataques ficaram mais perigosos. A defesa continua segura, com três gols sofridos em cinco jogos no Brasileiro.

Sem reforços de peso, as apostas de Carille, dentro das opções viabilizadas pelo Corinthians, deram certo. O exemplo é Jô, que saiu do ostracismo na China para a artilharia do time no ano: 11 gols.
Diante de equipe organizada e em alta, o São Paulo busca afirmação após levar um choque de realidade. Sem experiência como treinador, Ceni trouxe a badalação que o status de ídolo lhe confere para o novo desafio da carreira. Observou métodos de trabalho em clubes da elite mundial e montou comissão técnica com europeus, o inglês Michael Beale e o francês Charles Hembert.

Depois de sofrer três eliminações consecutivas – no Paulista, na Copa do Brasil e na Sul-Americana -, a postura mudou. Tanto a de Ceni quanto a do São Paulo, atual sétimo colocado no Brasileiro, com nove pontos.

O esquema com três zagueiros mostrou-se eficiente. Aliada à boa fase do goleiro Renan Ribeiro, o time tem a defesa menos vazada do Brasileiro, com dois gols sofridos, ao lado do Coritiba. O ataque ainda demora a engrenar, e depende de ajustes com a bola rolando.

Compartilhe nas redes sociais...Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone