Festa do Divino quer ampliar reciclagem - O Diário - Mogi das Cruzes , Suzano e Região do Alto Tiete
Fechar

           QUADRO DESTAQUE

Festa do Divino quer ampliar reciclagem

QUADRO DESTAQUE

Administração vai estimular entidades. (Foto: Edson Martins)

Administração vai estimular entidades. (Foto: Edson Martins)

LUCAS MELONI
A partir de 2018, as entidades que participarem da Festa do Divino Espírito Santo de Mogi das Cruzes e que impulsionarem a reciclagem durante o ano e no festejo poderão receber ajuda da organização com melhorias às suas sedes ou algum apoio financeiro. A intenção dos responsáveis é fazer com que a mais tradicional celebração religiosa do Alto Tietê tenha um “selo verde”, uma espécie de ISO, que ateste a excelência nas ações em prol da preservação do meio ambiente, preocupação com o ecossistema e busque novas iniciativas ecológicas.

A nova edição do Divino Verde foi aberta ontem, pela manhã, com uma missa campal realizada no Parque Municipal Francisco Affonso de Mello, na Serra do Itapeti, celebrada pelo bispo dom Pedro Luiz Stringhini. Durante o encontro, o religioso falou sobre a necessidade da raça humana cuidar da natureza. “Nós devemos ter o cuidado com a casa comum: o Planeta Terra. É necessário cuidar e cultivar a criação. O papa Francisco já nos deu um grande exemplo ao nos falar sobre a preservação do meio ambiente”, comentou.

Desde 2013, quando o Divino Verde foi criado, a organização da Festa tenta aplicar uma série de iniciativas ambientais, como a reciclagem, por exemplo. José Carlos Nunes Junior, coordenador do projeto, diz que a medida representará, já no ano que vem, mais benefícios às entidades que integram o festejo.

“A organização já tem o esboço, mas na próxima semana, nós vamos sentar para definir como isso funcionará. A ideia é que haja um trabalho contínuo, durante todo o ano. O que essas entidades fazem com o lixo? Há reciclagem de resíduos? Este processo terá pontuação para cada ação. Aquela que somar mais ponto neste ação de sustentatibilidade poderá receber algum benefício. Não será mais dinheiro, além da verba a que cada uma tem direito depois do evento. De repente, a que mais fez ações precisa de reparos no teto, por exemplo, então esta obra nós vamos custear”, explicou.

São 23 entidades participantes e cerca de quatro mil voluntários envolvidos com a Festa do Divino de Mogi. O conceito de reciclagem já rende números positivos ao festejo. Até 2013, o envio de resíduos para reciclagem era ínfimo. No primeiro ano do projeto, a festa gerou 50 toneladas de resíduos e destinou 6,7 toneladas para reúso. Em 2017, o total chegou a 100 toneladas produzidas e 20,7 destinadas para reaproveito.

A particularidade de cada instituição será observada com respeito às características próprias. “Isso terá que ser qualificado porque cada uma tem produtos diferentes. A Casa da Festa tem as cascas de frutas, os bagaços dos doces. Este ano, tudo isso foi levado para o Instituto Embu que fez uma compostagem e nos cedeu duas mil mudas de árvores para que fossem plantadas na edição deste ano com adubo orgânico proveniente da festa”, acrescentou Nunes.

O secretário municipal de Meio Ambiente Daniel Teixeira de Lima afirma que uma nova fase do programa Recicla Mogi começará a ser implantada para ampliar para 20% a taxa média de reciclagem na Cidade até o fim desta gestão.

“Houve ampliação da triagem de 6% para 8% na reciclagem neste ano. Pelos ecopontos subiu o índice de 170 para 350 toneladas na reciclagem. Agora começa o Recicla Mais Mogi. A nossa meta é, ao final dos quatro anos, chegar a 20% de reúso. Isso é meta Europa. É o que vamos perseguir até o final de mandato”, comentou.



Compartilhe nas redes sociais...Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone