Emoção marca missa de 7º dia em homenagem às vítimas do acidente

Missa foi celebrada pelo bispo Dom Pedro Luiz Stringhini. (Foto: Eisner Soares)
Missa foi celebrada pelo bispo Dom Pedro Luiz Stringhini. (Foto: Eisner Soares)

Os alunos, professores e diretores da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC) se reuniram nesta quarta-feira (15) para rezar juntos pela memória dos envolvidos no trágico acidente do último dia 8, no km 84 da Rodovia Mogi-Bertioga, que culminou na morte de 17 estudantes e do motorista do ônibus, quando retornavam para São Sebastião naquela noite. A missa, celebrada pelo bispo diocesano de Mogi das Cruzes, dom Pedro Luiz Stringhini, foi emocionante. Ele falou sobre a interrupção do sonho de jovens que apostavam no futuro e se esforçavam para fazer uma faculdade, mas também reconfortou a todos com as orações e palavras de esperança na vida eterna.

A cerimônia, que reuniu cerca de 600 pessoas no anfiteatro Manoel Bezerra de Melo, da Universidade, contou com a participação da reitora Regina Coeli Bezerra de Melo, do prefeito Marco Bertaiolli (PSD) e do corpo docente da UMC. Poucos familiares das vítimas vieram para o evento, porque rezaram a missa de sétimo dia em memória dos falecidos em São Sebastião, onde morava a maioria deles. Os colegas que estavam no ônibus e sobreviveram ao acidente também não compareceram. Há comentários de que muitos deles pretendem trancar matrícula porque estão traumatizados e não têm coragem de voltar a fazer a viagem. Os nomes dos mortos foram lembrados pelo bispo durante a missa. Dom Pedro tentou confortar a todos com palavras de fé e esperança.

“As famílias necessitam do conforto de Deus e da oração da comunidade para se fortalecer. A morte é o grande mistério e quando prematura é ainda mais triste e assustadora e nos deixa perplexos. Só que mais do que explicação, precisamos da oração. Não podemos perder a esperança em meio ao sofrimento. Com fé vamos conseguir superar as tristezas. A vida de todos nós está nas mãos Deus e vai além do limite da morte”, profetizou. Mesmo assim, disse que é preciso redobrar a atenção nas estradas, evitar qualquer tipo de abuso para prevenir acidentes. Muitos alunos não conseguiram controlar a emoção e as lágrimas.

Esse foi o caso da estudante do 5º ano de Psicologia, Victória Vidal, que chorou ao se lembrar da amiga de sala, Ana Carolina da Cruz Veloso, 21 anos, uma das vítimas mortas no acidente. “Nós estamos nos acolhendo e dando força uns aos outros para podermos superar essa tragédia e a perda irreparável de uma amiga da nossa sala. Estamos muito abalados e tristes porque nossa sala é muito unida”, disse. Toda a turma da Psicologia e os professores fizeram camisetas com vários dizeres para homenagear Ana Carolina. Outra aluna da classe, Mayara Garcia, também muito emocionada disse que a sala decidiu fazer a homenagem “para não esquecer da amiga, que será lembrada para sempre”.

Caroline de Jesus Oliveira, estudante de Ciências Contábeis, também se emocionou muito durante a cerimônia. Ela perdeu as amigas Maria Wdyrlania Maceno de Sousa, 22, e Natália Rodrigues Teixeira, 23, na tragédia e ainda não conseguiu assimilar o ocorrido. “É difícil acreditar, porque tudo aconteceu de forma muito trágica”, declarou, contando que já fechou as notas do semestre e não vai mais frequentar as aulas antes das férias de julho, mas sabe que ficará um vazio muito grande na sala, especialmente na hora dos trabalhos finais do curso, que estavam fazendo juntas.

Houve ainda relatos de Maria Cláudia Barbosa, formada em Administração de Empresas, que morava em São Sebastião, acabou a faculdade e se mudou para Mogi por causa do trabalho. Ela foi à missa para rezar por várias amigas que perdeu no acidente e falou também que um dos seus amigos sobreviventes disse que vai trancar matrícula porque não quer mais viajar. “Foi um trauma para todos, que vai ser muito difícil superar”, observa.

Também presente na celebração, o prefeito Marco Bertaiolli (PSD) afirma que fez questão de participar da missa em solidariedade aos estudantes envolvidos “nessa fatalidade”. “Espero que a fé em Deus traga o conforto a todos os familiares”, completou. Do total de vítimas fatais, 16 eram alunos da UMC e um estudava na Universidade Braz Cubas (UBC).

SILVIA CHIMELLO