Emoção marca abertura de Festa

Na Praça Coronel Almeida, em frente à Catedral, o prefeito, bispo, festeiros e capitães-do-mastro abriram ontem a Festa do Divino / Foto: Eisner Soares
Na Praça Coronel Almeida, em frente à Catedral, o prefeito, bispo, festeiros e capitães-do-mastro abriram ontem a Festa do Divino / Foto: Eisner Soares

Mogi já está em clima de Festa do Divino. O hasteamento do mastro e as bênçãos das bandeiras e do novo Império marcaram a abertura oficial , ontem à noite, durante cerimônia na Praça Coronel Almeida, em frente à Catedral de Santana, que ficou tomada pelos devotos. A celebração, sob o comando do bispo dom Pedro Luiz Stringhini, contou com festeiros, capitães de mastro, organizadores, religiosos e do prefeito Marco Bertaiolli (PSD).

Todo o ritual de abertura do evento começou no final da tarde, com as bênçãos das bandeiras realizadas pelo padre Thiago Cosmo na casa dos festeiros Sérgio Braz e Mônica de Sousa Mello, com a presença dos capitães de mastro Helena Kioko Mori Fujii e Ciro Fujii, além dos devotos que registraram o momento de fé. De lá saíram de ônibus em direção à Prefeitura para se juntar ao prefeito e ao bispo e seguir em cortejo até a Praça Coronel Almeida. No local, dezenas de pessoas aguardavam o cortejo para dar início aos festejos.

“A Festa do Divino representa um grande encontro da Cidade com o Espirito Santo, um momento em que todos se unem em oração, porque o Divino é a presença de Deus na vida de toda a humanidade. É um encontro de irmãos, que se unem para realizar essa Festa, com a colaboração de todos. Por isso, a emoção é tão grande”, declarou o bispo ao agradecer a participação dos voluntários de vários segmentos na organização do evento. Ao falar sobre a importância da fé e da devoção do povo mogiano, ele disse que esta é a hora de todos também rezarem pelo futuro Brasil, que passa por uma situação difícil.

O prefeito, ao destacar os mais de quatro séculos das comemorações do Divino em Mogi, disse que a festa já está enraizada na história da Cidade e faz parte da cultura e da tradição religiosa dos mogianos. “Mogi é a Cidade que o Divino escolheu para fazer sua morada.

Por isso, nos próximos dias de festa, espero que seja próspero o espírito de harmonia na vida de toda a população”, declarou, acrescentando que a acolhida feita na Prefeitura aos festeiros e fiéis e o ato de caminhar junto no cortejo pelas ruas centrais simboliza o respeito da Prefeitura por esse evento tão importante, que atrai milhares de pessoas.

Sem esconder a nostalgia neste seu último ano como chefe do Executivo, Bertaiolli aproveitou para se despedir. “A abertura desta Festa do Divino é a mais emocionante porque é a última desse período de oito anos como prefeito da Cidade e já me deixa com saudades. Mas, mesmo assim, junto com minha esposa Mara estarei sempre presente como devoto do Espírito Santo”, garantiu.

O festeiro Sérgio Braz, sempre com muito otimismo sobre a expectativa para os 11 dias de celebração – que se estenderá até o próximo dia 15, com estimativa de público de cerca de 180 mil pessoas -, também aproveitou para “agradecer o empenho dos mais de três mil voluntários que não medem esforços para fazer uma festa melhor a cada ano”. A festeira Mônica afirma que “o momento é de alegria, porque chegou a hora de colher os frutos do trabalho feito durante um ano inteiro”.

Após a bênção das bandeiras e abertura do Império, todos seguiram em procissão para o Centro Municipal Integrado Deputado Maurício Nagib Najar, no Mogilar, para abertura da quermesse. (Silvia Chimello)

Leia a matéria completa na edição impressa