Desassoreamento do Rio Tietê avança na Região

Desassoreamento vai custar R$ 37 milhões. (Foto: Edson Martins)
Desassoreamento vai custar R$ 37 milhões. (Foto: Edson Martins)

DANILO SANS
Previsto para ser concluído em fevereiro de 2018, o desassoreamento do Rio Tietê em Mogi das Cruzes avança mais um trecho, desta vez para as proximidades do Parque Leon Feffer, segundo balanço divulgado pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (DAEE).

O trabalho é realizado em duas etapas. As máquinas concluíram o trecho Estaleiro-foz do Córrego Ipiranga – já foram desassoreados 900 metros a jusante do manancial – e removeram um total de 46 mil metros cúbicos de sedimentos e 430 metros cúbicos de rochas. É importante destacar que o DAEE não atualiza esses números desde janeiro.

Agora, o DAEE está deslocando o maquinário para o próximo trecho, de 2,8 mil metros lineares, do Estaleiro ao Parque Leon Feffer, incluindo a foz do Córrego Matadouro e o Ribeirão Canudos. Ontem, as escavadeiras que trabalham na obra estavam paradas no Parque Leon Feffer para manutenção.

O DAEE já preparou o bota-espera junto ao Parque Leon Feffer, que receberá o material dragado deste trecho. Após a secagem na área de bota-espera, o material é encaminhado em definitivo para um aterro em Itaquaquecetuba, pertencente ao Grupo Pepec, do qual a Itaquareia faz parte (material inerte) e para o Rodolixo do Jaguaré (material não inerte).

A obra de desassoreamento do Tietê em Mogi das Cruzes compreende um trecho de 44,2 quilômetros do rio, entre o Córrego Ipiranga, em Mogi, e o Córrego Três Pontes, na divisa de Itaquaquecetuba com São Paulo. O Governo do Estado está investindo R$ 37,7 milhões neste trabalho, que começou dia 20 de agosto.

O serviço tem como objetivo remover 343 mil metros cúbicos de sedimentos depositados no fundo do canal, o que deverá contribuir para evitar inundações nos municípios beneficiados (Mogi, Suzano, Poá e Itaquaquecetuba). O trabalho também inclui a remoção de grandes pedras e rochas para facilitar o escoamento do rio.

São Paulo-Itaquaquecetuba
O DAEE está concluindo o processo de contratação do trabalho de limpeza e desassoreamento de 25 quilômetros do Rio Tietê entre a Barragem da Penha e a foz do Córrego Três Pontes, extensão natural do trecho em obras de Mogi das Cruzes. A expectativa é iniciar essa etapa nos próximos 30 dias.

Serão investidos mais R$ 40 milhões nos próximos 10 meses na remoção de 500 mil metros cúbicos de sedimentos depositados no fundo do Tietê.

Biritiba Mirim e Salesópolis
No trecho entre Biritiba Mirim e Salesópolis, o serviço de desassoreamento do Tietê já está 25% concluído, segundo o DAEE. O investimento na obra é de R$ 6,5 milhões na remoção de material em 5 quilômetros do rio.

As máquinas estão removendo 61,5 mil metros cúbicos de sedimentos no trecho, que foi atingido por alagamentos em novembro de 2014.