Daniel se revelou gaitista aos 10 anos - O Diário - Mogi das Cruzes , Suzano e Região do Alto Tiete
Fechar

           CADERNO A

Daniel se revelou gaitista aos 10 anos

Caderno A, Circuito

Foi escutando um programa de rádio que o blues começou a chegar aos ouvidos de Daniel Granado. Interessado pelo estilo, o mogiano foi a uma loja de instrumentos musicais onde encontrou uma infinidade de gaitas apresentadas pelo lojista. Quando se deparou com uma em que estava escrito “blues” não teve dúvidas e a escolheu. O episódio aconteceu quando ele tinha seus dez anos de idade, mesma época em que ele começou a tocar intuitivamente, sem professores. Hoje, aos 35 anos, quem dá aulas é Daniel. Ele, há três anos, é proprietário da Sound Music School, além de fazer apresentações solo como gaitista.
Para aprender o lado mais técnico da música, Daniel começou a ter aulas de violão clássico com o professor Vital Medeiros. Ele garante que o instrumento foi essencial e que ele pôde levar alguns fundamentos para a gaita. Logo aos 16 anos, o mogiano formou a banda Black Train, onde tocava também a guitarra. O grupo continuou na estrada, mas em 2001 Daniel foi para São Paulo, tocar gaita na Nitro Blues. Foi aí que ele teve a oportunidade de participar dos primeiros grandes festivais de sua carreira e ainda abrir shows de artistas dos quais era e ainda é fã. Na época também começou a dar aulas.
Cerca de cinco anos depois estava na Blues Sesion Band, um dos grandes nomes do gênero na Capital. Com o grupo, Daniel chegou a um dos momentos mais emocionantes de sua vida musical. Ele teve a oportunidade de conhecer e tocar ao lado de Mud Morganfield, filho de Muddy Waters, considerado um dos criadores do blues. A banda não tinha reconhecimento apenas no Brasil, mas chegou a ficar em destaque em um site de Portugal, por exemplo.
Em 2007 Daniel fez parte de uma pesquisa da Universidade Estadual Paulista (Unesp) sobre musicalização infantil. Ele diz ter saído de sua zona de conforto. Durante os estudos, que foram base para a lei Música nas Escolas, ele tinha contato com crianças de 2 à 5 anos de idade. Depois disso, a partir de 2009, o mogiano voltou a Cidade e seguiu em sua carreira solo. Ele participou de um festival da Alemanha, onde ficou por um mês para também estudar.
Hoje, além de tocar em show, Daniel é contratado por uma empresa brasileira de gaitas, a Hering Harmônicas. Ele grava vídeos com os instrumentos da marca para que sejam divulgados e vendidos. As imagens de Daniel tocando vão chegar a um festival nos Estados Unidos.
Como professor e proprietário da Sound Music School, Daniel promove por lá alguns festivais. Durante este mês está acontecendo o Blues Festival, que termina no próximo sábado com o show do guitarrista argentino Danny Vincent. Nos dias 20 e 21 de dezembro a escola promove outro festival, desta vez com os próprios alunos, que hoje formam um total de 380.
Com o evento de blues o mogiano tenta fazer sua parte para que consiga resgatar na Cidade a apreciação do gênero. Ele diz que a aceitação, assim como nos seus shows, é muito boa e que ele acredita que o público de Mogi pode vir a conhecer cada vez mais o estilo.
Casado há sete anos com Tatiana Coggiani Leite, Daniel é pai de Maria Antônia, de dez meses. O seu tempo livre ele dedica a ficar em casa vendo filmes e também se divertindo com a pequena. (Larissa Rodrigues – Especial para O Diário)

  • Com a filha Maria Antônia
    af100120-1
  • Em apresentação no Sesc, com Humberto Zigler, Marcos Kliss e Celso Salim
    af100120-2

Curto Circuito

Viver em Mogi é…
Muito bom na maioria das vezes.
O melhor da Cidade é…
Estar em minha escola ou em casa com minha família e amigos.
E o pior?
Infelizmente é conviver com as mesmas falhas comuns em todo país.
Sinto saudade da…
Qualidade das praças no centro da Cidade.
Encontro paz de espírito…
Em família.
Pra ver e ser visto…
Sempre no palco ou fora vendo uma apresentação de qualidade.
Meu prato preferido é…
Pizza. As tradicionais!
Livro de cabeceira…
Harmonia e Improvisação. Almir Chediak.
Peça campeã de uso do meu guarda-roupa?
Calça jeans e camiseta preta.
O que não tem preço?
Sorriso da minha filha!
Uma boa pedida é…
Cerveja de boa qualidade.
É proibido…
Cerveja quente!
A melhor festa é…
Qualquer show que tenha música de qualidade.
Convite irrecusável…
Praia, churrasco, tocar, cinema, estar com a família e amigos…
O que tem 1001 utilidades?
Violão.
Meu sonho de consumo é…
Poder ir a todos os shows em qualquer parte do mundo. Sempre com minha família.
Qual foi o melhor espetáculo da minha vida?
Nascimento da minha filha Antônia.
Cartão-postal da Cidade…
Parque Centenário, principalmente na parte da manhã.
O que falta na Cidade?
Sesc
Qual é a química da vida?
Equilíbrio.
Deus me livre de…
Pseudo intelectuais.

Compartilhe nas redes sociais...Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone