CPTM e o problema da acessibilidade nas estações - O Diário - Mogi das Cruzes , Suzano e Região do Alto Tiete
Fechar

           INFORMAçãO

CPTM e o problema da acessibilidade nas estações

Informação

Em que pesem as explicações e o balanço de investimentos apresentados pelo presidente da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), Paulo de Magalhães, em artigo publicado na edição de ontem deste jornal, não há como deixar de se ver antigos problemas de mobilidade urbana que persistem junto às estações da estatal em Mogi das Cruzes e outras cidades da Zona Leste servidas pela empresa. Há questões que chegam às raias do absurdo, como é o caso do desnível entre a porta do trem e uma das plataformas da estação de Braz Cubas, onde uma gigantesca passarela para pedestres há muito se transformou num verdadeiro calvário para idosos e famílias com crianças de colo, além de ser uma barreira quase intransponível para deficientes e cadeirantes. Não há rampas especiais e nem há que se pensar em escadas rolantes. Tudo faz parte de planos que são repetidos à exaustão pela empresa, sempre que consultada por este jornal, os quais nunca saíram e continuam sem prazos para se transformarem em realidade. Um trabalho da repórter Mirielly de Castro, da TV Diário, foi extremamente feliz ao mostrar, com depoimentos de usuários, o drama vivido diariamente na Estação de Braz Cubas, que é semelhante ao de outras estações da CPTM na Região. A reportagem chega a mostrar o caso da mãe de uma criança deficiente, que teve de pedir ajuda à Polícia Militar para transpor a passarela, já que os guardas da estação teriam se negado a lhe prestar auxílio. Mostra ainda o caso de uma senhora nipônica, já idosa, que se vê obrigada a se sentar para descansar, antes de atingir nem mesmo a metade da passarela. Há ainda o caso de uma mulher que não conseguindo descer com o carrinho de bebê em razão do desnível da plataforma, segue viagem até Mogi para que, na volta, o trem pare num ponto onde a porta e o piso da plataforma estão nivelados. Histórias capazes de provocar revolta em quem as assiste, mas que parecem não ter sido suficientes para convencer os dirigentes da CPTM a tomarem as providências tão prometidas e nunca executadas na Cidade.

No vídeo
A participação do palhaço Tiririca na propaganda eleitoral do também palhaço Bubu, candidato a vereador de Mogi pelo PR, está incluída em todas as listas com as mais insólitas da atual campanha política na televisão. Trajados a caráter, como se estivessem num picadeiro, os dois protagonizam a seguinte cena: Tiririca diz, usando seu velho bordão, que se Bubu não for eleito, ele vai “mo-rrê-ê” e, em seguida, aperta a bochecha do mogiano chamando-o de “menino lindo”, ao que Bubu retruca, entre caras e bocas: “São seus olhos!”. E vai por aí afora.

No Japão
A jornalista mogiana Marianne Nishihata prepara-se para lançar seu livro “Amor Entre Guerras” no Japão. A data ainda não está marcada, pois a autora acaba de dar uma guinada em sua vida profissional, deixando a Editora Abril para trabalhar na Thought Works, consultoria norte-americana de soluções digitais na área de tecnologia. Também por conta dos novos desafios, o segundo livro da Nishihata terá de esperar um pouco mais para ser iniciado.

Apoios
Basta uma passada de olhos pelo site do TSE para saber quem está com quem nas eleições municipais de Mogi. Até agora, o prefeiturável Gondim Teixeira (SD) vem bancando sua campanha com verbas próprias, enquanto seu adversário, Marcus Melo (PSDB) tem entre seus colaboradores, além de funcionários públicos, Ronaldo Alabarce (Rede Alabarce) e Roberto Pestana (McDonald’s).

Sem partido
O advogado mogiano Miguel Vacico Nagib escreveu longo artigo na Folha em defesa do Programa Escola Sem Partido. Aproveitou a espaço para buscar desvencilhar sua ideia do que ele chama de “rede de intrigas”, ou seja, os duros ataques que a proposta vem recebendo, especialmente de educadores denominados progressistas. Ponto a ponto, Nagib busca desconstruir as críticas que vem recebendo a proposta de um ensino livre das questões político-ideológicas, cada dia mais presentes nas salas de aula.

Cotidiano

SANTINHOS  Nem mesmo a casa localizada no Bairro Paraitinguinha, em  Salesópolis escapa da sujeira eleitoral. Por isso, a dona tomou providências. (Foto: Cidinha Tosetto – Divulgação)

SANTINHOS Nem mesmo a casa localizada no Bairro Paraitinguinha, em Salesópolis escapa da sujeira eleitoral. Por isso, a dona tomou providências. (Foto: Cidinha Tosetto – Divulgação)

Frase
A política é quase tão excitante como a guerra e não menos perigosa. Na guerra a pessoa só pode ser morta uma vez, mas na política diversas vezes.
Winston Churchill (1874-1965) foi um político conservador e estadista britânico, famoso por sua atuação como primeiro-ministro do Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial

Compartilhe nas redes sociais...Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone