Com helicóptero e atirador de elite, Polícia prende suspeito de fazer família refém em Mogi - O Diário - Mogi das Cruzes , Suzano e Região do Alto Tiete
Fechar

           DESTAQUE

Com helicóptero e atirador de elite, Polícia prende suspeito de fazer família refém em Mogi

DESTAQUE, Policia

O suspeito estava em indulto do Dia dos Pais e portava uma metralhadora. (Foto: Divulgação)

O suspeito estava em indulto do Dia dos Pais e portava uma metralhadora. (Foto: Divulgação)

LAÉRCIO RIBEIRO
Uma intensa mobilização da Polícia Militar resultou, na madrugada desta quinta-feira (10), na prisão do assaltante Renato Jesus Fernando Neto, de 24 anos, no meio da mata, no Botujuru. Às 3h30, ele e dois comparsas, que fugiram, portando uma submetralhadora, invadiram o sítio de uma família chinesa, na Rodovia Mogi-Guararema, naquele Bairro. A perseguição contou com a participação até do Helicóptero Águia, da PM, e de policiais, do 17º BPM/M, entre eles, da unidade de elite Força Tática.

O delegado Alexandre Batalha, titular do 3º Distrito Policial, e a escrivã Vanessa Massariol, autuaram em flagrante Renato. Ele vai responder por roubo, associação criminosa, receptação de veículo roubado e adulteração de sinal identificador de veículo.

“Foi a maior besteira que eu fiz”, lamentou, ontem à tarde, o bandido Renato Jesus ao explicar a O Diário como planejou e praticou o assalto. “Sai no dia 1º para passar o ‘Dia dos Pais’ em casa, pois sou casado e tenho três filhos menores, o mais velho tem 10 anos. Estou cumprindo pena por dois roubos numa loja e de um veículo, mas fui beneficiado pela Justiça, deveria voltar hoje (ontem) para a Colônia de São Vicente, mas entrei nessa”.

Na gíria dos marginais o termo “foi fita dada”, como mencionou Renato, se refere ao fato de alguém ter passado comunicado ao trio sobre a rotina de vida do agricultor Lee Hoan Liang, de 62 anos, e de sua esposa Hsuen Jun Fann Lee, de 63 anos. Ou seja, Renato confirmou que ele e os seus cúmplices tinham informação que “lá havia mais de 80 mil e um revólver de calibre 22”.

Nas buscas, a Polícia deteve um ex-empregado do sítio por suspeitar que ‘Pedro Martins Hidalgo Filho, de 33 anos, morador no Botujuru, seria ‘informante’ dos criminosos. Ele nega e só foi solto depois de ser ouvido na Delegacia, mas o agricultor Lee Hoan lembrou que dias antes havia conversado com Pedro Martins sobre a arma. Ele continuará sendo investigado.

Para levar o assalto adiante o trio roubou o Gol de André Mauro dos Anjos, em Guarulhos e veio para Mogi. “Eu apenas troquei a placa”, diz o assaltante Renato.

O carro ficou próximo ao sítio e já diante da casa, ele contou que “rendemos dois funcionários (o motorista Alexandre de Carvalho, de 41 anos, e o ajudante David Nascimento de Oliveira, de 29 anos) e como estava com a minha metralhadora os ameacei a bater na porta. Quando ela foi aberta, dominamos o casal, o qual foi amarrado. “Não ferimos ninguém, apenas reviramos tudo, pegamos dinheiro, joias, celulares e várias coisas, mas um vizinho chamou a Polícia e saímos correndo. Ficamos 20 minutos na casa”.

O cerco foi coordenado pelo tenente Dirceu Oliveira, da Força Tática. Ele e os seus policiais recuperaram as joias, R$ 5.738, 39, bijuterias, celulares, cheques e documentos. A dupla que escapou levou R$ 20 mil.



O assalto foi frustrado diante da ajuda de um vizinho. Ele telefonou para o nº 190, do Copom, em São Paulo, e avisou sobre o crime. Um policial chegou a telefonar para o sítio para verificar se a informação procedia.

Um dos bandidos atendeu a chamada ao lado do casal, no interior da residência, e falou que ‘tudo estava bem’, porém o soldado resolveu ligar para o vizinho e perguntar se havia nas proximidades algum carro parado e pediu a placa.

O vizinho anotou a placa do Gol e a forneceu ao policial: a placa apesar de trocada constava como de um automóvel roubado. O assalto foi confirmado e a Polícia Militar iniciou o cerco.

Compartilhe nas redes sociais...Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone