Aumenta para 17 o número de mortes em incêndio que destruiu prédio em Londres

Da EFE
A Polícia Metropolitana de Londres elevou nesta quinta-feira (15) para 17 o número de mortos no incêndio ocorrido em um edifício residencial na zona oeste da capital britânica e informou que dezenas de pessoas continuam desaparecidas. As informações são da agência de notícias EFE.

Em um pronunciamento à imprensa, o comandante Stuart Cundy indicou que o número de mortos pode aumentar. A tragédia aconteceu no edifício Grenfell, um imóvel de 24 andares e 120 apartamentos, onde viviam entre 400 e 600 pessoas.

O Corpo de Bombeiros informou hoje que não espera encontrar mais ninguém com vida no interior do edifício.

Na declaração à imprensa, Cundy também indicou que a operação de busca e resgate no imóvel levará “muito tempo” e que atualmente há equipes especializadas no local.

Após confirmar que ainda não foi possível determinar a origem do fogo, Cundy contou que as equipes especializadas levaram ao edifício cães treinados para tentar encontrar os desaparecidos

Ao ser questionado pelos jornalistas, o comandante descartou que o incidente esteja relacionado com o terrorismo, ao esclarecer que “não há nada” que indique esta hipótese.

A partir de agora, o inspetor-chefe da Polícia Metropolitana de Londres, Matt Bonner, ficará à frente das investigações, informou o comandante.

Quanto aos feridos, Cundy confirmou que “37 pessoas ainda estão recebendo tratamento, das quais 17 estão em estado crítico”.

“Como já dissemos ontem, a nossa prioridade absoluta é identificar e localizar as pessoas que continuam desaparecidas”, afirmou o policial.

O comandante do Corpo de Bombeiros de Londres, Dany Cotton, que também estava presente na entrevista coletiva, disse que seus efetivos vão fazer uma “busca minuciosa” e acrescentou que isso “será, obviamente, um processo muito lento e doloroso”.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, que prometeu “uma investigação adequada” sobre o trágico incidente, visitou hoje o local do incêndio, onde conversou com efetivos dos serviços de emergência.

De acordo com a imprensa britânica, os especialistas acreditam que o uso de polietileno no revestimento do edifício, que foi colocado em 2015, poderia explicar a velocidade com a qual o fogo se propagou.