As paixões da professora e triatleta - O Diário - Mogi das Cruzes , Suzano e Região do Alto Tiete
Fechar

           CIRCUITO

As paixões da professora e triatleta

Circuito

Maria Paula Vettorato se divide entre as aulas de inglês e os treinos para as competições, como o Ironman de Florianópolis, uma das mais concorridas. Sua agenda inclui também a dedicação à família. (Foto: Eisner Soares)

Maria Paula Vettorato se divide entre as aulas de inglês e os treinos para as competições, como o Ironman de Florianópolis, uma das mais concorridas. Sua agenda inclui também a dedicação à família. (Foto: Eisner Soares)

A professora e triatleta Maria Paula Vettorato, nascida em Mogi Mirim, que há 20 anos se transferiu para Mogi das Cruzes, divide o seu tempo entre três paixões: a família, as aulas inglês e o triatlo. Diz que se considera mogiana de coração. Foi aqui que se consolidou como professora de inglês e triatleta, além de cuidar da casa e das duas filhas, Vitória, de 19 anos, e Valentina, de 12 anos.

Autodidata, Maria Paula aprendeu inglês sozinha, ainda criança. Ela não tinha paciência para acompanhar o ritmo das aulas, e descobria o idioma por meio das letras de músicas e filmes legendados. Aos 16 anos, quando já dominava o idioma, fez um intercâmbio no Texas. Assim que voltou para sua terra natal, começou a dar aulas.

Apesar de apaixonada pela língua inglesa, decidiu cursar Farmácia e Bioquímica pela Pontifícia Universidade Católica (PUC), em Campinas, e concluiu também o doutorado em Ciências na Universidade de São Paulo (USP). Como doutora, ela pretendia lecionar em faculdades, porém recebeu o convite para ensinar inglês na escola Callan, no Parque Monte Líbano, onde ficou por dois anos.

Desde 2011, Maria Paula deixou a escola para se dedicar integralmente às aulas particulares. Atualmente ela dá nove aulas por dia, na casa dos alunos, que vão de adolescentes com interesse em intercâmbio a casais que querem aprender inglês para poder viajar. Suas aulas são totalmente voltadas para as necessidades de cada estudante, e envolvem apostilas de gramática e técnicas de conversação.

Outra de suas paixões é o esporte. Maria Paula começou a nadar aos 10 anos de idade, e chegou a participar de competições em sua cidade. Por falta de tempo, parou de competir quando entrou na faculdade, mas quando Valentina, sua filha mais nova, completou dois anos, ela voltou a nadar e começou a correr.

Durante cinco anos ela participou de corridas de ruas de 10km, mas em 2013, devido a uma fratura no calcanhar, teve de ficar 4 meses afastada. Ficar parada era quase impossível para ela, que foi se aventurar na bike e amou pedalar. Assim que se recuperou do acidente, ela enxergou no triatlo a oportunidade de unir as três modalidades que praticava: natação, corrida e bicicleta. Começou então com maratonas curtas, passando dos habituais 10km para 21km. Depois, passou a realizar provas mais longas, e não parou mais.

Foi numa ultramaratona de 75km, entre Maresias e Bertioga, que Maria Paula percebeu que tinha o psicológico preparado para realizar provas mais longas ainda, como o Ironman. Ela foi a segunda mulher da Cidade a participar do evento. Seus 11 treinos semanais, a rotina regrada e a alimentação balanceada funcionaram: no circuito de Florianópolis, em maio deste ano, ela nadou 3.800 m, pedalou 180 km e correu 42 km em doze horas e nove minutos de circuito.

Aos 39 anos, a triatleta não tem a menor intenção de parar com o esporte ou com as aulas de inglês, e já está inscrita no Ironman de Florianópolis, que acontece no ano que vem. Buscando mais desafio, dessa vez o foco será diminuir o tempo de prova. Ela pretende continuar conciliando os horários das aulas com os treinos e a família, e diz que estabelecer objetivos é o que guia sua vida.



Na agenda de Maria Paula sempre há espaço para o day off, um dia livre para visitar o campo, curtir o mar, se divertir com as filhas ou ficar em casa descansando. Afinal de contas, para ela, mais do que uma recompensa para a mente e o corpo, o descanso também é treino. (Heitor Herruso, especial para O Diário)

Curto-Circuito
Viver em Mogi é… estar perto de amigos incríveis que eu fiz, é poder me sentir em casa

O melhor da Cidade é… a localização, e é cidade grande com jeitinho de cidade pequena

E o pior? O trânsito desorganizado

Sinto saudade… do pão com manteiga e café que eu tomava na casa da minha avó toda vez que saía do treino de natação, na adolescência

Encontro paz de espírito… nas minhas orações

Pra ver e ser visto… provas de triatlo

Meu prato preferido é… a berinjela à parmegiana da minha mãe

Livro de cabeceira… Evangelho por Allan Kardec



Peça campeã de uso do meu guarda-roupa? Top preto

O que não tem preço? Família

Uma boa pedida é… praia, sempre!

É proibido… desacreditar

A melhor festa é… a companhia

Convite irrecusável… treinar… e isso inclui nadar, pedalar ou correr

O que tem 1001 utilidades? A inteligência, você a usa como quiser

Meu sonho de consumo é… a Itália

Qual foi o melhor espetáculo da minha vida? Me tornar mãe

Cartão-postal da Cidade… Serra do Itapety

O que falta na Cidade? Uma pista de atletismo

Qual é a química da vida? Energia! Você atrai o que vibra

Deus me livre de… deixar de ser livre!

Compartilhe nas redes sociais...Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone