Akimatsuri: 32 anos da tradição e cultura nipônica em Mogi - O Diário - Mogi das Cruzes , Suzano e Região do Alto Tiete
Fechar

           CIDADES

Akimatsuri: 32 anos da tradição e cultura nipônica em Mogi

Cidades, DESTAQUE

O tema de 2017 do Akimatsuri é Esperança. (Foto: João Ricardo Santo)

O tema de 2017 do Akimatsuri é Esperança. (Foto: João Ricardo Santo)

SILVIA CHIMELLO

Milhares de pessoas são esperadas neste domingo (2), segundo dia do Akimatsuri, que conta com extensa programação artística, além de outros atrativos do festival nipo-brasileiro, considerado como um do maiores do Alto Tietê, que neste ano chega à 32ª edição. O Festival de Outono foi aberto oficialmente ontem, com a presença de políticos, representantes da colônia nipônica, patrocinadores, apoiadores e autoridades de diversos segmentos. O movimento foi intenso e a expectativa dos organizadores é de fechar os quatro dias do evento com um público de cerca de 80 mil pessoas.

Durante a solenidade de mais de duas horas de duração, a maioria dos discursos destacou a importância do agronegócio e a necessidade de investimentos em projetos de turismo para estimular a economia regional. Todos concordam que o Akmatsuri vem se profissionalizando e ganhando maior projeção, atraindo visitantes de várias regiões e contribuindo para divulgar o nome de Mogi das Cruzes e do Alto Tietê, além de ser uma vitrine de oportunidades que gerar negócios.

De acordo com o presidente do Bunkyo, Frank Tudo, “esse sucesso é resultado de planejamento, trabalho, dedicação e comprometimento de toda a equipe e do trabalho em parceria com os apoiadores, que ajudam a preservar e propagar as tradições da cultura japonesa”. Otimista, ele não acredita que a crise econômica comprometa o evento.

O cônsul-geral Japão em São Paulo, Takahiro Nakamae, sempre presente nos eventos da colônia em Mogi, destacou a relação bilateral de irmandade entre os dois países e disse que o evento é importante para contar a história e preservar a cultura que os pioneiros imigrantes japoneses trouxeram há mais de um século para o Brasil. “Em Mogi, o Festival tem forte apelo da cultura contemporânea japonesa, mistura o novo e o antigo, além de reforçar o laço de amizade entre os dois povos”, declarou.

O Festival permite que o público conheça curiosidade e detalhes da cultura japonesa. Além do pavilhão e das barracas, onde estão expostas as verduras, legumes, frutas e flores, as pessoas podem também conhecer a cerimônia do chá, do Tooro Nagashi (barquinhos de papel), ver exposição de artes, assistir espetáculos de dança e música, show de taico (tambores) e muitas outras expressões. Os visitantes podem ainda desfrutar da culinária oriental na Praça da Alimentação. No total, são mais de 60 atrações artísticas oferecidas no espaço, onde estão instalados mais de 100 expositores e bazaristas. O Akmatsuri está se transformando num grande centro de negócios para empresários.

PROJETOS
O prefeito Marcus Melo (PSDB) informou que a Agricultura, hoje o menor orçamento do município, receberá uma atenção especial durante a sua administração. Ele explica que a Prefeitura, através do Conselho Municipal de Agricultura, está buscando novos caminhos para desenvolver parceria com diversos órgãos e promover cursos pesquisas no setor. “Estamos cadastrando as estradas vicinais para fazer um mapeando e cadastrando todos os pontos críticos para que a Prefeitura possa ter ação de melhorias para melhorar a produção”, revelou.

O deputado estadual Luiz Carlos Gondim (SD) defendeu investimentos em pesquisas e fomento para a agricultura e defendeu a união de esforços para ampliar os investimentos em turismo. Ele e o deputado federal Walter Ihoshi (PSD) informaram que vão continuar destinando emendas parlamentares para ajudar projetos como o Akmatsuri. Além deles, também participaram do evento o federal Roberto Lucena (PV) e o Jooji Hato,do PMDB.



Chef de cozinha Dayse, uma das atrações deste domingo
A chef de cozinha Dayse Paparoto, vencedora do reality show gastronômico MasterChef, vai preparar pratos típicos da cozinha oriental num dos estandes instalados no Akimatsuri, hoje, das 12 às 15 horas, e também no próximo final de semana, quando o Festival de Outono termina, no Centro Esportivo do Bunkyo, no Bairro da Porteira Preta.

A cozinheira vai utilizar pratos como o sukiyaki, ensopado à base de carne, legumes e macarrão japonês, no estande da Casa Kobe. Um dos diferenciais do prato é o uso da carne bovina wagyu, tradicionalmente japonesa, e reconhecida pelo sabor diferenciado.

Mogiana, Dayse destacou-se na edição do programa de televisão e possui prêmios de revelação, como o concedido em 2010 pela Revista Veja. Ela tem se destacado por participar de inúmeros eventos, manejando talheres ou proferindo palestras e treinamentos.

Durante a festa
Autor do livro 100 anos de Feiras Livres na Cidade de São Paulo, o pesquisador Antonio Hélio Junqueira recebeu o título de Cidadão Mogiano durante a abertura do Akimatsuri. Concedido pela Câmara Municipal em dezembro passado, em atenção às indicações feitas por Juliano Abe (PSD), à época, vereador, e de Pedro Komura (PSDB), o título reconhece a importância das pesquisas que serviram de base para uma das principais publicações sobre o tema.

Ao lado da economista Marcia da Silva Peetz, Junqueira assina a publicação que mostra a história da feira na Capital, um dos principais mercados consumidores da produção agrícola de Mogi das Cruzes e Região.

Junqueira destacou a importância social das feiras na vida das cidades. “É um local que rompe barreiras sociais, onde todas as pessoas se cumprimentam, sem saber quem é quem”, disse, ao agradecer a homenagem recebida pela Cidade. O título, segundo o vice-prefeito Juliano Abe, reconhece a valorização da atividade agrícola destacada no livro de Junqueira e Márcia Peetz.

Compartilhe nas redes sociais...Share on LinkedInTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone