Abaixo-assinado vai integrar processo de investigação

Investigação está centralizada em Bertioga. (Foto: Reprodução/ Facebook)
Investigação está centralizada em Bertioga. (Foto: Reprodução/ Facebook)

Um abaixo-assinado encontrado na mochila de uma das vítimas do acidente com o ônibus que transportava estudantes na Rodovia Mogi-Bertioga, na noite da última quarta-feira, será utilizado pela Polícia Civil na apuração do caso. O delegado titular de Bertioga, Maurício Barbosa Júnior, deve começar a agendar a coleta dos depoimentos dos sobreviventes a partir de segunda-feira (9).

O documento, endereçado à Secretaria Municipal de Educação de São Sebastião, pede providências com relação a um motorista da empresa União do Litoral que no trecho de serra, debaixo de chuva e neblina, “realizou manobras ilegais” e colocou em risco as vidas dos passageiros.

O espaço correspondente ao nome do motorista está em branco, no entanto, em entrevista à Folha, a estudante de Psicologia, Aline de Jesus dos Santos, de 20 anos, uma das sobreviventes do acidente, disse que o abaixo-assinado era contra Antonio Carlos da Silva, condutor do ônibus e um dos 18 mortos na tragédia. A Polícia Civil afirmou que ainda é prematuro fazer suposições sobre o documento.

A reportagem de O Diário questionou a Prefeitura de São Sebastião sobre o possível registro de reclamações relatadas por alunos e a respeito do abaixo-assinado encontrado no ônibus. Em nota, a administração disse apenas que o documento não foi protocolado na Secretaria Municipal de Educação – e nem poderia ter sido protocolado, ele ainda estava em branco na mochila de um estudante.

A Prefeitura não respondeu, porém, se havia ou não outras reclamações relatando a conduta de motoristas da empresa de ônibus contratada para o transporte de estudantes entre o litoral e as cidades universitárias. A reportagem também procurou a empresa União do Litoral, mas não houve retorno até o fechamento desta reportagem.

A empresa tem seis ônibus que fazem o trajeto diário entre São Sebastião e Mogi das Cruzes, em contrato firmado com a Prefeitura da cidade litorânea para transportar cerca de 250 estudantes.

O acidente aconteceu por volta das 23 horas desta quarta-feira, na altura do quilômetro 84 da Rodovia Mogi-Bertioga, logo após o trecho conhecido como “tobogã”.

O motorista perdeu o controle do veículo, atravessou a pista, capotou e bateu em um rochedo já no sentido Mogi das Cruzes da rodovia. O impacto foi tão forte que rasgou o teto do ônibus, deixando, até o momento, 18 mortos – entre eles 17 estudantes e o condutor -, além de 28 feridos.

A Polícia trabalha com três linhas de investigação: falha no freio, perda de direção ou ultrapassagem. O motorista teria enviado uma mensagem à mulher dizendo que a pista estava com muita neblina e, por causa disso, chegaria um pouco mais tarde em casa, segundo relato do irmão do condutor, Anderson da Silva.