A interatividade do hoje tem um lugar

Não guardo segredo a ninguém que em 1991, ano com tudo para correr bem, me graduaria Eng.º Mecânico, algo que só ocorreria de fato alguns anos depois.
A razão deste tropeço em minha vida foi uma profunda decepção amorosa perpetrada pela namorada e musa da ocasião, que veio a preterir-me pela barganha de um homem com quem passara a sair.

Como meu distúrbio se assemelhava a um tipo de esquizofrenia, patologia mental, aliás, à época universalizada, meu verdadeiro quadro de desvio mental, com o avanço da psiquiatria, da farmacopéia e das ciências correlatas, mais especificamente das ciências de saúde mental, veio a ser definido como Transtorno Afetivo Bipolar.

Hoje minha enfermidade está controlada, mas digo que esta doença é traiçoeira, assim não descuido dos medicamentos, freqüento religiosamente as consultas médicas e procuro participar com entusiasmo das oficinas propostas por nossas terapeutas.

Atualmente não tenho companheira, apenas uma grande amiga, a melhor com quem poderia sonhar, e eu e ela tendo nos conhecido no CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) há quatro anos nosso point de tratamento é esse, do qual não desejamos mudar, mesmo porque o CAPS, entre outros compromissos, propicia ao paciente a perspectiva de reinserção social, e à nossa dificuldade de readequação social, de recondução de nossos rumos isto parece bastante oportuno. Assim, eu e minha citada amiga há quase quatro anos vivemos sob o mesmo teto, ressalvando apenas que o CAPS nos fortalece o bastante para um dia que nem quero jamais existir tenhamos que cindir o elo de nossa amizade.

Através das oficinas conduzidas por profissionais altamente qualificados nos capacitamos como multiplicadores, portanto, juntos credenciados a assumirmos o controle de corporações de ofício, ou, em uma linguagem mais moderna, cooperativas. Isso, ainda mais se endossado pelo CAPS-II seria nossa garantia de êxito à medida que seus funcionários voltados para técnicas artesanais ou culinária aderissem como sócios ao projeto.

Creio que esta seria uma solução salvadora para a maioria dos pacientes como eu, no agora praticamente insolventes, sem dinheiro até mesmo para comprar cigarros.

A interatividade do hoje tem para mim um lugar, que vem a ser justamente o CAPS, diamante polido remanescente das experimentações a nível de gênese no campo da luta antimanicomial.

Festa junina no CAPS não passa batida, viu, gente? É por isso e tantas outras coisas que a interatividade do hoje tem um lugar

Natan Lira

Natan Lira

Deixe seu comentário